outubro 17, 2017

Torta salata alla barbabietola [Torta salgada de beterraba]

Nos últimos dias tenho cozinhado relativamente pouco. Como fiz várias "comidinhas-base" para congelar fui usando o que tinha, acrescentando ingredientes aqui, usando um molho vermelho ali... Assim fui pouco para a cozinha, inclusive no feriadão passado. O que siginifica isso? Significa que tive muito tempo para ler coisas várias, ver filmes vários, ainda mais que não tenho aula durante esta semana. E quem faz pós sabe que 10 dias de folga é quase um presente de Natal, é quase uma segunda chance na vida. Se você ganhar 10 dias de folga agarre com todo amor e respeito e os utilize da maneira mais prazerosa possível. 

Eu estou na fase que gostaria de estar eternamente: a fase leitora compulsiva e cinéfila. Que sonho ser assim todos os meses do ano para o resto da vida. 

Primeiro tirei vários livros da estante: de Marlena de Blasi a Camilleri; de Robert Darnton a Massimo Montanari e também Arnold House (todos historiadores) e de Eni Orlandi à autobiografia de Artusi.

Depois caí de amores pelos livros novos que tem chegado aqui: Literatura e Gastronomia, de Fabiano dalla Bona; Clássicos da Literatura Culinária, de Rudolf Trefzer (maravilhoso, embora não fale de Artusi!) e, para não dizer que não falei de Linguística, um livro com artigos sobre Ferdinand Saussure, o queridão da Linguística Moderna e do Estruturalismo. Ah, e também estou lendo Karl Marx, porque sou dessas. 

Na parte do cinema, decidi que está na hora de ver ou rever os clássicos italianos e comecei por Fellini. Confesso que não é a coisa mais fácil do mundo. Geralmente são filmes inquietantes, estéticamente pesados mas muito legais. E claro, estou cada vez mais encantada pela atriz Giulietta Masina, de Noites de Cabíria, d'A estrada da vida e de Ginger e Fred, entre outros. Aliás, foram estes três filmes de Fellini que assisti no feriado. Amarcord e La Nave Va estão esperando, quem sabe até o final de semana role. 

Na Netflix das coisas que vi e achei bacana foram: Não me abandone jamais, baseado na obra do Nobel de literatura Kazuo Ishiguro; Bem-vindos ao meu mundo, de Shira Piven, e o que gostei médio: Reencontro, de Rob Reiner com Morgan Freeman. 

Juro, gente, juro que eu gostaria que passasse um vento e me deixasse assim tão concentrada para sempre. Mas tem horas que é só no controle remoto mesmo, olhando novela das nove e torcendo para que a Bibi Perigosa saia dessa vida. 

Bom, vamos falar de comida.

Nas compras do mês eu trouxe massa folhada e simplesmente esqueci. Ontem, fazendo um balanço do que ainda tinha na geladeira, achei o pacote ali, negligenciado. Olhei para a gaveta e só localizei meia beterraba, uma cebola roxa já brotando; na gaveta dos queijos, apenas um queijo, o gorgonzola. Mesmo sendo um pouco de cada a inspiração veio: torta salgada de beterraba. Aproveitei que tinha feira aqui perto hoje e fui buscar mais ingredientes. O resultado é essa torta linda. 





Beterraba para mim, até bem pouco tempo, nem pensar. Foi depois que eu descobri que pode ser utilizada para além da salada que comecei a simpatizar com ela. E foi com a gastronomia italiana que aprendi isso, a utilização em tortas não só da raiz mas tambem das folhas. Essa, como não é orgânica acabei trazendo sem as folhas mesmo. 


Torta salata alla barbabietola - Torta salgada de beterraba

Ingredientes

02 beterrabas grandes
Ramos de tomilho
Azeite
02 cebolas roxas
01 dente de alho
01 gole de vinho branco
Pedaço de gorgonzola
Sal e pimenta a gosto
01 rolo de massa folhada
01 gema para pincelar

Descasque as beterrabas, corte ao meio e faça fatias bem finas (fiz com o mandolin, aquele ralador/fatiador). Coloque para cozinhar ao vapor junto com ramos de tomilho. Enquanto isso, refogue em azeite o alho picado e a cebola cortada em meia-lua. Tempere com sal e pimenta, acrescente raminhos de tomilho e o vinho branco. Baixe o fogo. Depois de uns 5 minutos retire as beterrabas do vapor e as cebolas do fogo. 

Pré-aqueça o forno a 200ºC.

Unte uma forma com fundo removível (ou se preferir, nem use forma, faça sobre papel manteiga) e estenda a massa folhada deixando bordas nas laterais. Distribua a cebola no fundo da massa, cubra com as fatias de beterrabas cozidas fazendo um lindo e aromático tapete bordô. Sobre ele jogue pedacinhos de queijo gorgonzola, cubra com o restante da massa. Pincele com gema e leve ao forno, por aproximandamente 20 minutos ou quando estiver dourado, depende do forno.




Eu acho esta receita tão simples mas tão elegante. Vai super bem nesta época do ano, acompanha uma salada verde e uma boa taça de espumante. Ô maravilha de vida. 


Quem me acompanha no Instagram (segue lá, gente!) viu que quando cheguei da feira postei uma foto com os ingredientes da torta com alecrim e não tomilho. Pois é, na hora decidi mudar a erva da receita e usei os últimos tomilhos que tinha em casa. 





2 comentários:

  1. Carla, seu texto estava muito intelectual pra mim, mas qdo chegou no pto da novela...ah, aí tbm não,não assisto há séculos!rs
    Receita simples, mas elegante e como disse, combina bem com um espumante que a gente merece!
    Bjo e boa semana!

    ResponderExcluir
  2. Que bela torta. Adoro beterrabas.

    Beijinhos,
    Clarinha
    https://receitasetruquesdaclarinha.blogspot.pt/2017/10/arroz-de-courgete-com-hamburguer.html

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua visita e comentário no Cucina Artusiana.