março 22, 2012

Úmbria verde-oliva, Úmbria da simpatia

Ah, a Úmbria! Pensem em uma pessoa apaixonada. Sou eu pela Úmbria. Uma região toda linda, toda verde-oliva, com aromas maravilhosos (cheiro de lenha!!!!) e pessoas mais que especiais.

Semana passada, depois de quase cortar os pulsos em Forlimpopoli, decidi mudar os rumos da viagem e adiantar minha ida à Úmbria. Queria conhecer Perúgia e Assis. Sexta-feira passada acordei cedinho, peguei um trem e desci em outras terras. De cara, as boas-vindas: o taxista que me levou para o hotel era um querido e até parou em um dos lugares altos da cidade para eu ver a "boniteza" da vista panorâmica.

A cidade é linda demais! Eu amei já nos meus primeiros cinco minutos ali.

No hotel, continuaram as gentilezas. Os donos também foram super atenciosos e me indicaram vários lugares para conhecer. Conversamos bastante, tomei uma taça de vinho junto deles e fui conhecer a cidade. Andei, andei, andei. Para cima e para baixo. Para baixo e para cima. Todas as calorias ingeridas na Emília-Romanha ficaram pelas ruelas de Perúgia. Mas como já estava sem forças (cara de pau!) parei para comer.



Esses raviolli eram divinos! O molho era com norcineria, ou seja, com embutidos de carne suína. Eu que adoro um porquinho, já fiquei toda faceira.



Sábado pela manhã, fui para Assisi e digo para vocês que foi muito divertido. Cena de filme! Peguei um ônibus e comecei a conversar com o motorista (sim, eu sou tagarela! Sim, eu sou cara de pau!). Um dos passageiros se meteu na conversa e ficamos os três de altos papos. Ri muito, mas muito com eles. Pelo que entendi, esse passageiro (que era muito engraçado!) pega essa linha todos os dias para trabalhar, logo, ele e o motorista são amigos de longa data. A cada monumento que íamos passando, a cada restaurante, a cada paisagem eles iam comentando, me apontando, contanto histórias. Valeu a minha manhã de sábado.

Em Assis emoção pura. Não sou católica nem nada, mas confesso que deu nozinho na garganta quando botei os pés na cidade. Lugar lindo que só vendo. Maior tranquilidade, poucas pessoas na rua, um dia lindo, ensolarado.


E ali aconteceu mais ou menos como em Florença: não conseguia parar de caminhar. Nem mesmo para comer. Há vários restaurantes super convidativos, mas eu passava e pensava: venho mais tarde, vou caminhar mais um pouco. Quando vi, já era 15h! O que fazer?! Ir de panino, claro!



Eu pedi uma focaccia com a 8ª maravilha do mundo que é a porchetta. Um panino de focaccia com porchetta pode ser a coisa mais maravilhosa que você já comeu na vida. Porchetta é vida!



E um vinho da região, claro!


Outro paese da Úmbria que conheci foi Spello. E foi ali que conheci o S. Marcelo, um morador da cidade de uns 70 anos que brincou comigo enquanto eu tomava água, respondi na mesma moeda e ele se apaixonou! Me pegou pelo braço e se fez meu cicerone. Fez uma visista guiada por toda a aldeia, me contou histórias, me explicou o processo da colheita das azeitonas, me mostrou as oliveiras, as igrejas, os arcos, as muralhas e repetia a todo momento: "Tu não podes voltar para o Brasil, tu és italiana: gosta de comer, fala italiano e é simpática. Deves ficar aqui". Eu juro que se eu ficasse mais 15 minutos ali ele me pediria em casamento. Querido!

(Ele não deixou eu fazer uma foto. Tímido!)


Ao fundo, as oliveiras que colorem de verde os montes de Spello.


Eu fiquei com gostinho de quero mais. Não tive tempo de visitar Nórcia, pois já tinha data para sair de Perúgia, mas assim que eu puder voltar à Úmbria, eu volto!

Para saber mais da gastronomia da região clique aqui.

6 comentários:

  1. Que delícia de post, me fez lembrar um livro que li do Leonardo Boff, "Francisco de Assis - Ternura e Vigor" Uma mistura de espiritualidade e afetividade, assim como esse post.

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Amei o post, apaixonante como a região.
    Nem sabíamos de toda essa história e importância gastronômica de Norcia, fiquei conhecendo tudo isso aqui pelo blog. Nós chegamos lá por um belo acaso, queríamos chegar a Cassia, não sabíamos que deveríamos trocar de ônibus no caminho e fomos parar em Norcia, ficamos só 3h por lá, mas já foi suficiente para se encantar, isso porque nem consumo carne suína. Um povo muito hospitaleiro!
    É uma honra ler seus relatos. Beijos

    Tatiane O.

    ResponderExcluir
  3. Carla, fico encantada com as suas fotos, histórias, comidas, lugares. Quando leio os teus posts minha vontade é uma só: arrumar a mala e sair pelo mundo! A começar pela Itália :)
    Bjos querida
    Tania

    ResponderExcluir
  4. Ainnn, chorei lendo e me imaginando ali. Amei, sério. Precisamos nos encontrar logo, tô morrendo de saudade!!! Beijos Carina

    ResponderExcluir
  5. Em Assis tem algumA coisa diferente no ar: espiritualidade? santidade? Paz, certamente!

    ResponderExcluir
  6. Moramos por um tempo em Perugia e foram um dos melhores momentos que passamos na Italia. Bella Italia com seus costumes culturais culinarios extraordinarios, cheios de belezas e de golusemas.
    Fizemos grandes amides por la.
    O que acho mais interessante nessa região é a facilidade com que as pessoas plantam em pequenos espaços, uvas, pessêgos, figo, abobrinha, tomate e ervas de todos os tipos.
    As pimentas secando ao sol, com tomates e castanhas, os pés de oliveiras nas praças e a colheita comunitária, os festivais do estilo medieval e acima de tudo a porquera assada servida com pão foccacia, sem mais nada, mas o suficiente para satisfazer qualquer pessoa com fome e que aprecie uma boa e autêntica cuccina Italiana.
    Ah Itália, bella Itália! Que saudades de ti!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua visita e comentário no Cucina Artusiana.