janeiro 30, 2012

Sicília e Granita di Caffè [Raspadinha de Café]


Receita no final do post

Por diversos aspectos a Sicília é uma civilização por si só: uma cultura cujas características felizmente são conservadas integras no tempo. Um dos aspectos desta “civilização siciliana” é a culinária. E dizemos rapidamente que se trata de uma culinária grandiosa, muito articulada e de excepcional importância também em relação às outras culinárias italianas,     que receberam muito da inspiração siciliana. Muitas das mais conhecidas especialidades italianas nasceram na Sicília: a massa, por exemplo, de todas as formas e os dois tipos fundamentais, o “liscio” (macarrão) e “ripieno” (ravioli); e as pizzas recheadas, o molho agridoce, a cassata. E da Sicília, encruzilhada do Mediterrâneo, se espalharam pelo resto da Itália as iguarias de origem oriental, as hortaliças recheadas, a pasta real e o leite de amêndoas, o uso do pistache, da uva passa e dos pinoli nos pratos de carne, de peixe, de verdura; a procura de um prazer visual nas vivazes policromias das refeições.

O prodígio de uma natureza extremamente vital, sol, vulcão, pedra, água marinha, vegetação subtropical. O reflexo desta natureza em uma intensa carga espiritual, expressa com vigor poético. A mesa como momento de criatividade, como balada popular evocadora de história, de lenda, de magia, com os tons plebeus e aristocráticos dos pratos rústicos, de arcaica simplicidade, e daqueles elaborados, de barroca sensualidade.  Acrescentam-se às fortes diferenças de fertilidade do solo, os ritmos e rituais das estações do ano, as hereditariedades históricas das muitas partes da ilha, se compreenderá que uma síntese da culinária siciliana em poucas linhas não é possível. Melhor lembrar que, graças à terra, em grande parte vulcânica e seu indesejável clima, a Sicília produz em grande quantidade, e entre os melhores da Itália, frutas, hortaliças, cereais, óleo e laticínios; as mais valorizadas espécies de peixes do Mediterrâneo; e vinhos entre os mais extraordinários do mundo. Entreguem-se então, com total confiança nos conselhos do cozinheiro, começando pelos pratos de massa, excelentes em toda a ilha: tem personalidade, harmonia de sabores, nuances de sabores insólitos.

Não se pode perder, a massa com sardinhas, a massa com pequeninas anchovas chamadas de masculini, os espaguetes com lagosta, a imponente massa ‘ncasciata, a massa com brócolis azuis, com aspargos silvestres, com alcachofras, com berinjelas. Na gastronomia siciliana, as hortaliças, as verduras cultivadas e espontâneas, as alcaparras, as azeitonas, tudo possui um papel fundamental.

Para grandes refeições, a caponata e a parmigiana de berinjela, todas as hortaliças recheadas e- por que não? – o antigo macco de favas e verduras.

Uma presença de nível, desde o tempo da dominação árabe, é a do arroz: nos risotos (sobretudo de peixes, de crustáceos), nos arancini (bolinho recheado de carne, queijo, ervilhas), nas crispelle doces.
Entre os pratos de carne, tipicamente sicilianos o abundante farsumagru de vitelo recheado, os polpettoni de sabores originais, o cordeiro e o cabrito de várias formas locais de preparo, o coelho agridoce, os assados de porco com ervas aromáticas, as linguiças apimentadas.

A lista de peixes – talvez a mais extensa da Itália – coloca em evidência todas as espécies mais procuradas, dos lobos-do-mar às lagostas, das tainhas gigantes do recife aos camarões imperiais, e numerosas especialidades de alto nível como a sopa chamada cuscusu (“incucciata” em fogo lento na pignatta de barro), as sardinhas a beccaficu, o peixe-espada all salmoriglio ou frito com alcaparras e azeitonas, o stocco (peixe seco) à messinese, com alcaparras, uva passa, pinolis e azeitonas.

Autênticas iguarias, as focacce diversamente recheadas, as scacciate, as ‘mpanate, os sfincioni: farinha, óleo de oliva, verduras, ervas aromáticas, eventualmente embutidos ou peixes, obrigatoriamente queijos, os grande queijos sicilianos: provolone, caciocavalli, ricotte, e pecorini cremosos (tume, canestrati, maiorchini), maturados, delicados, com pimenta, com formas minúsculas ou gigantescas.

Os doces, inumeráveis, é na grande maioria, a base de marzipã de amêndoas, de cidra cristalizada, de mel. Famosos os frutti della Martorana, os canolli de ricota e frutas cristalizadas, o cordeiro Pascual e os outros “pupi” rituais de massa com açafrão e confeitos de cidra, os sfinci de aniz, a cubbàita e os outros delicados torrones, a mostarda (gelatina) de mosto de uva, de figo-da-índia, de marmelos. E os sorvetes, da cassata às granitas, aos spongati, ao gelu: indiscutivelmente os sorvetes mais gostosos do mundo, graças também à disponibilidade e à qualidade das frutas: laranjas com uma dezena de variedades (para degustar também na salada, com azeite, sal e pimenta), bergamotas, toranjas, limões, cidras, limas, uvas requintadas como o zibibbo de Pantelleria, figos (grande seleta de figos secos recheados), pêssegos, damascos, cerejas, peras, maçãs, melancias, figos-da-índia, amêndoas, nozes, pistaches, castanhas, pinolis, frutas do bosque. 

Produções valorizadas de frutas cristalizadas, de sucos e essências de frutas e de ervas aromáticas, de água de cidra, de leite de amêndoas.

E os vinhos. Fortes e doces, de mitologia solar. Muitos DOC. Corvo, Anapo, Eloro, Etna tintos e brancos; Cesasuolo di Vittoria e de Siculiana, Faro, Pachino tintos; Alcamo, Cariddi, Ciclopi, Segesta brancos. Sublimes como aperitivos o para sobremesas, o Marsala, o Moscato passito di Pantelleria, o Moscato di Noto e dello Zucco, a Ala di Casteldaccia, a Albanello de Siracusa, o Ambrato di Còmiso, a Malvasia das Eole, o Marmertino, o Passolato de Trapanio, o Corvo espumante. E a lista está incompleta. Ampla variedade de amargos e de digestivos, de limão, de ervas, de aniz, de amêndoas.

Granita - Raspadinha de Café
Do livro Fundamentos da Cozinha Italiana Clássica

Ingredientes

1 1/2 xícara de café passado bem forte
01 colher (sopa) de açúcar
1 xícara de creme de leite fresco gelado
02 colheres (sopa) de açúcar de confeiteiro

Faça o café e, com ele ainda quente, adicione o açúcar. Deixe esfriar, coloque em forminhas de gelo e leve para congelar.

Quando estiver congelado e você estiver pronto para servir, bata o chantilly: bata vigorosamente o creme de leite gelado com o açúcar de confeiteiro até ficar firme.

Desenforme os cubos de café e coloque em uma processador (no liquidificador é mais difícil) até serem reduzidos a cristais bem finos. Coloque em taças, cubra com o chantilly e sirva imediatamente. 


4 comentários:

  1. Hm, que sobremesa fresca e deliciosa, tenho a certeza. Uma óptima sugestão para os dias (e noites) de verão!

    ResponderExcluir
  2. Adorei a Sicília, terra da caponata de beringela (que também adoro à parmigiana) e da minha amada cassata! Essa granita também não pode ser ignorada. Nesse calorão, troco meu café com leite quente por um desses brincando, no café da manhã e tudo :-) Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Minha querida, viajei agora até a Sicília! Que bom saber um pouco mais dessa terra que belos vinhos produzem e todas essas maravilhas descritas por ti, entre massas, frutas etc.
    Agora essa raspadinha de café, aí meu Deus...que coisa boa!
    Receita bem anotadinha!
    Super bju minha menina. Re

    ResponderExcluir
  4. Carlinha, e eu que achava que conhecia a Itália... Estou adorando esse delicioso passeio e aprendendo muito!!!!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua visita e comentário no Cucina Artusiana.